Como usar algumas expressões na redação

(Fonte da imagem: site Redação Criativa)

As dicas deste post foram resumidas e adaptadas  da obra de Silva (2004):

a) a nível de: expressão de modismo muito ultrapassado que, segundo Silva (2004), tem uso proibido. Importante lembrar que a expressão em nível de não substitui a nível de, pois só pode ser usada  quando houver níveis. Exemplo: O processo só será deferido em nível estadual. Ao nível de também é uma expressão com uso liberado: A obra estava ao nível do mar;
b) ao encontro de/de encontro a: a primeira significa a favor, enquanto a segunda significa contra. Exemplos: A defesa da advogada vai ao encontro das (a favor) necessidades da vítima. A política econômica da cidade de São Paulo vai de encontro aos (contra) anseios da população. O acidente ocorreu porque o motociclista foi de encontro ao poste;
c) a princípio/em princípio: o primeiro significa inicialmente, no começo e o segundo significa em tese, teoricamente. Exemplos: A princípio, Elisa não pensa em cortar os cabelos. Em princípio (= por princípios religiosos), as beatas são contra o aborto e o divórcio
d) checar:Silva (2004) recomenda que seja evitado, dando-se preferência aos verbos verificar, confrontar, conferir, comparar;
e) conflito/confronto:o primeiro é usado para designar confusãoe o segundo significa enfrentamento. Exemplo: Ontem, houve um conflito generalizado na estação Sacomã do metrô. No estádio de futebol, aconteceu um confronto entre as torcidas do Palmeiras e do Santos. Assim, quando houver apenas confusão, é melhor usar conflito;
f) elencar:é um modismo  desnecessário segundo Silva (2004), um neologismo que deve ser evitado. Recomenda-se o uso de enumerar, listar;
g) onde/aonde:não são sinônimos, pois o primeiro indica lugar (a casa onde moro) enquanto o segundo indica deslocamento (o parque aonde irei). Aonde geralmente é usado com verbos que indicam movimento e regem a preposição a: ir, chegar, dirigir-se, levar;
h) etc.:significa e outras coisas.
  • pode ser precedido ou não por vírgula;
  • não usar o conectivo e antes de etc (e etc);
  • evitar o uso para pessoas (o pai, a mãe, etc);
  • em final de frase, não duplicar o ponto após o etc (etc..);
  • não usar etc. com reticências (etc…). Ou se usa um ou o outro.
i) implantar/implementar:não são sinônimos. Implantar é dar início e implementar é por em prática, fazer funcionar. Exemplo: O sistema foi implantado no ano passado. Todas as rotinas já foram aprovadas pelo coordenador do curso, porem nunca foram implementadas;


j) junto a: é modismo e inadequado quando não indica idéia de junção ou proximidade. Exemplos: Solicitou a aprovação do projeto junto ao professor titular (inadequado). Solicitou a aprovação do projeto ao professor (adequado);
k) nada a ver: pode ser substituído por nada que ver ou nada para ver. Nada haver, embora muito usado, está errado e é inaceitável de acordo com Silva (2004);
l) onde:deve ser usado unicamente quando se tratar de lugar. Não se deve usar com ideia de tempo, causa, motivo, ou conclusão;
m) quantia:atualmente, está associada a dinheiro. Formas antigas devem ser evitadas: ao invés de quantia de pessoas, é melhor usar quantidade de pessoas;
n) ratificar/retificar:o primeiro é confirmar e o segundo é corrigir, consertar;
o) somatório:esta é a forma correta. Somatória é inaceitável.


REFERÊNCIA
SILVA, A.N.D. O português do dia a dia:como falar e escrever melhor. Rio de Janeiro: Rocco, 2004. 304 p. (Edição atualizada conforme o acordo ortográfico de 2008).

Escreva um comentário