A importância do uso (CORRETO) da vírgula

Pode parecer que esse assunto é batido, que não há novidades que valham uma nova leitura atenta… porém, há muita gente – inclusive graduada – que comete erros crassos com o uso da vírgula (ou falta dela).

Há um caso verídico, do qual fui testemunha: uma advogada, que tem uma vasta clientela e é muito conhecida, incorreu em um erro desses, o que prejudicou seu cliente. Explico: o juiz não entendeu o que ela queria, dada a falta total de senso na hora de escrever – o parágrafo, enorme, não tinha vírgulas  ou outros sinais de pontuação… a profissional desatou a escrever, sem se preocupar em ser inteligível! Resultado? O juiz deixou de julgar o pedido feito e, além disso, colocou com todas as letras na sentença – de que estava fazendo aquilo, porque não entendeu o que a advogada quis dizer!
Pois é, foi um vexame! (pelo menos para mim, que li a sentença… não sei se a autora da malfadada petição se importou com isso!)
Tão importante quanto utilizar vírgulas, é utilizá-las nos lugares corretos, pois, do contrário, você também irá confundir o leitor!
Porém, se você parou para ler isso, é porque tem interesse em acertar… então, vamos a algumas dicas, pois sempre é bom relembrar:

- não se usa vírgula para separar o sujeito do predicado: Todas as pessoas que assistiram ao filme, ficaram extasiadas. 

CORRETO: Todas as pessoas que assistiram ao filme ficaram extasiadas.
- não se usa vírgula depois de verbo: O menino triste chorou, desesperadamente. CORRETO: O menino triste chorou desesperadamente.
- não se usa vírgula entre o nome e o complemento nominal; entre o nome e o adjunto adnominal:
A reação, da elegante princesa, ao discurso do príncipe, emocionou os súditos. 
    nome               adj. adn.                          compl. nominal 
CORRETO:A reação da elegante princesa ao discurso do príncipe emocionou os súditos.
Em outra oportunidade postarei os casos em que se devem usar a vírgula, para não ficar uma leitura maçante!
É isso aí, pessoal!  (a propósito: a vírgula foi colocada para separar o sujeito do vocativo – pessoal –, não do predicado! ;-)

Escreva um comentário