MIM não conjuga verbo

Acho que um dos erros mais comuns é usar o pronome MIM como sujeito ao invés do pronome EU. Sujeito, para quem não se lembra, é o termo que faz a ação, ou seja, aquele que tem a prerrogativa de mudar o verbo. Lembra-se da conjugação de verbos que éramos obrigados a decorar na infância?
EU faço
TU fazes
Ele faz
NÓS fazemos
VÓS fazeis
ELES fazem

Alguma vez, conversando com alguém, você já falou: MIM faço isso ou aquilo?? É claro que não… Então concorda que, por comparação, também estaria errado falar: Para MIM fazer… Para MIM estudar… Para MIM entender??

(Fonte imagem: site Tudibao)
O correto é usar o pronome pessoal EU antes de verbo no infinitivo (terminados em AR, ER, IR…), pois é o mesmo que pode mudar a ação verbal. Então, não erre mais e corrija seu modo de falar sempre que perceber. Com o tempo, será automático usar o pronome corretamente:

Para EU fazer…
Para EU estudar…
Para EU entender…

Porém, como toda regra tem exceção, CUIDADO: quando aparecer verbo de ligação (ser, estar, parecer, ficar, permanecer, continuar), junto de predicativo do sujeito, ou os verbos custar, bastar, restar e faltar, então use MIM. Portanto, as frases a seguir estão corretas:
Custou para MIM continuar na fila do banco.
Basta para MIM permanecer na lista de espera.
Foi fácil para MIM aceitar o resultado do concurso.
Até a próxima!

5 comentários

  1. marcos disse:

    Roberta, gostaria que postasse algo sobre (MUITAS DAS VEZES), obrigado, Marcos.

    • Olá Marcos
      Você escolheu um assunto polêmico, hein? Para alguns autores é incorreto o uso de “muitas das vezes” porque “vezes” significa repetição de ocorrência e, portanto, não teria necessidade da preposição de (de+as=das).
      Para outros, porém, a expressão é correta em algumas frases, uma vez que, alegam, “muitas das vezes” quer dizer “dentre as vezes”, ou seja, naquele rol de vezes a pessoa deseja destacar algumas.
      Como não encontrei um autor reconhecido discorrendo sobre o tema, enviei a questão para a Academia Brasileira de Letras. Assim que receber a resposta, postarei um artigo baseado em uma fonte confiável!
      Muito obrigada pela participação, apesar da “dor de cabeça” que me causou! (rs)
      Até mais!
      Roberta

  2. Anonymous disse:

    No segundo caso, alternativamente pode-se usar como é habitual em Portugal.

    Custou-ME continuar na fila do banco.
    Basta-ME permanecer na lista de espera.
    Foi-ME fácil aceitar o resultado do concurso.

  3. Anonymous disse:

    Roberta, esse tema está meio confuso para mim. Em uma aula de português da rede LFG o professor explicou que as seguintes frases estão certas:
    — É fácil para mim fazer isso.
    — É fácil para mim estudar. (*onde podemos trocar por escrever, ao meu ver)

    Então essa regra não valeria nesses exemplos. Ele explica que para cada verbo tem que haver um sujeito, na primeira frase “fazer isso” é sujeito do verbo ser. Na segunda, estudar também comporta-se como sujeito do verbo ser.

    E que esse macete de ‘mim’ não poder estar antes de “verbo” não é totalmente verdadeiro.

    Para melhor entendimento ele inverter as frases:
    — Fazer isso é fácil para mim.
    — Estudar é fácil para mim.

    Esse tema está complicado =/

  4. Ana Duncan disse:

    Roberta voce poderia postar algo sobre os ” porques”?

Escreva um resposta